Quintais da minha infância

Recebi o texto abaixo da minha mãe, não verifiquei a autoria, mas ele me remeteu à minha infância… uma infância com vários quintais (morei até em apartamento que tinha uma varanda tão grande que mais parecia um quintal!). Meu filho não vai experimentar a metade das aventuras que só são possíveis em um quintal… então deixem-me suspirar de saudades do que eu vivi!

Ahhhh eu tive isso! E tive tantos quintais! E tive até direito de ver uma galinha poedeira morta cheia de ovinhos dentro (não tinha nenhum ovo completamente formado, mas vi aquele monte de bolinhas amarelas e  felizmente na época não havia nenhum dilema moral e ético quanto a possibilidade de comê-las!)… e vi galinha sendo morta… e ajudei a carnear meio boi, não foi muito divertido (ainda mais que recém alfabetizada fiquei responsável por preencher as etiquetas de identificação dos cortes!), mas foi certamente inesquecível e altamente didático… e vi uma ninhada de ratinhos recém-nascidos… e tive medo de cobra porque era uma possibilidade real… e sujei pé com titica… e comi fruta do pé e cenoura recém tirada da terra, além de beber leite direto do ubre – e pão saído do forno a lenha com ingredientes tirados ali do quintal… e entendi o princípio de uma chocadeira vendo um pintinho sair da casca no quartinho de guardar lenha… e tive pintinhos, patinhos, coelhinhos, gatinhos, cachorrinhos e até corujinha de estimação (e descobri que apesar de nojentos, sapos não comem patinhos – mesmo usando o mesmo tanque para se refrescar)! Ahhh e mais incrível de tudo: tive uma piscina que tinha agrião e girinos! Muito obrigada por uma infância memorável!

Um quintal


Quando uma pessoa começa a melhorar de vida, pensa logo em comprar uma boa casa. E o que é uma boa casa? É preciso um jardim e uma piscina, imaginam os pais. Eles querem para as crianças uma infância saudável, com confortos que nunca tiveram, mas não pensam no principal: um quintal.

Um quintal não precisa ser grande, e o chão deve ser de terra batida. Nele deve haver algumas árvores que não pareçam ter sido plantadas, mas sempre existido. Um abacateiro e uma goiabeira, de goiaba vermelha, são fundamentais. No fundo, um galinheiro tosco, com uma porta quebrada, para que as três ou quatro galinhas possam correr quando alguém quiser pegá-las. Nenhum computador levará uma criança ao deslumbramento que ela terá ao encontrar um ovo e segurá-lo, ainda quentinho. É o mistério da vida nas mãos dela, mais absoluto e mais simples do que qualquer livro de filosofia.

Um dia, a cozinheira avisa que vai matar uma galinha para o molho pardo. Os meninos pedem para ver a cena trágica; a mãe não quer, mas a empregada, acostumada, com o facão na mão, facilita. Se a galinha tiver dentro da barriga aquele monte de ovinhos, aí a lição de morte – e de vida – será ainda mais completa. E mais lições serão aprendidas quando alguém sugerir fazer uma peteca com as penas mais duras e algumas palhas de milho. Mas será que alguém sabe do que estou falando?

Voltando: esse quintal deve ser meio abandonado, mas muito limpo; duas vezes por dia a empregada, cantando bem alto, dá uma varrida. É importante também que haja um tanque para lavar o pé de alguma criança quando ela pisar descalça numa porcaria, e um varal com pregadores de roupa de madeira. Nesse lugar, não vai ter horta nem pomar organizado. Em compensação, é bom que exista do outro lado do muro uma enorme mangueira para que se possa praticar o melhor crime do mundo: roubar as frutas do vizinho. Nos fundos de um quintal, deve haver também uma touceira de bananeiras ou bambus e, claro, um adulto dizendo sempre para tomar cuidado, pois ali pode ter uma cobra.

Não há infância que se preze sem medo de cobra. Quando as goiabas começam a crescer, fica todo mundo de olho até a primeira delas estar no ponto para ser arrancada e mordida ali mesmo, sem lavar. E que sensação terrível quando se vê o bicho da goiaba se mexendo. Aí, sem que ninguém precise dizer nada, você começa a aprender que a vida é assim: ou se compra uma goiaba bonita, mas sem gosto, ou se espera com paciência ela amadurecer no pé até desfrutar o supremo prazer de dar aquela dentada – com direito a bicho e tudo.

Mas o tempo voa. De repente você se sente só, abre o caderno de telefones e percebe sua pouca afinidade com os nomes que estão lá, que tem vivido uma vida que não tem nada a ver e começa a procurar um sentido para as coisas.

Não encontra resposta, claro, mas um dia está no trânsito, vê um terreno baldio, se lembra daquele quintal no qual não pensa há anos e percebe que essa é a lembrança mais importante e mais feliz de sua vida.

E passa a olhar o mundo com a superioridade de quem tem um tesouro guardado dentro do peito, mas ninguém sabe.

Danuza Leão

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: