A saga da busca da escolinha “perfeita”

O que é a escolinha perfeita? Quando começar a procurar? Qual a idade ideal para que a criança vá para a escolinha? Dúvidas, dúvidas, dúvidas… não tenho certezas, só dúvidas!

A escolinha perfeita provavelmente não existe – ainda mais quando sempre se espera encontrar a excelência… Pelo menos, tenho ideia  de quais quesitos são absolutamente inadimissíveis para mim. (O essencial, para mim, é que as crianças tenham tempo e espaço para serem crianças!)

Desde que engravidei soube que minha gravidez extra-uterina (no sling) duraria seis meses, mas que depois disso teria que entregar o meu filhote a cuidados alheios (nosso segundo corte do cordão umbilical). Como nesta época começa o desmame parcial (e o sistema imunológico, consequentemente, baixa um pouquinho) nosso pediatra de Brasília tinha sugerido que déssemos preferência a uma babá do que a escolinha… podem me chamar de paranóica, mas não me sinto confortável em deixar meu pequeno príncipe sozinho com só uma pessoa desconhecida, ainda prefiro uma instituição onde uma pessoa vê o que as outras estão fazendo (responsabilidade individual compartilhada!).

Comecei a procurar creche/berçário/escolinha quando estava no terceiro trimeste gestacional ainda lá em Brasília, mas o que é realmente importante analisar nesse momento?  Abaixo segue a minha saga e o que observei nas instituições que visitei nestes dois meses aqui em São Bernardo.

1- 100m de casa, mas cheguei e o portão estava escancarado, o porteiro estava fora de vista (assistindo um jogo de bocha na TV), a coordenadora me deu um chá de cadeira apesar de eu estar com o  Y no sling e pra completar vi as crianças tomando banho de sol (num dia de fritar ovo no asfalto) às 10 da manhã (e uma das cuidadoras na sombra)!!! Ahhh hã!!! Juro que o Y algum dia vai por seus pezinhos ali! NÃÃÃÃÃÃOOOO!!!

2 – pelo nome já imaginei as criancinhas em alguma viagem alucinógena… hehehe O lugar é bonitinho, uma casa simples com pátio e uma mini horta. A coordenadora sabe detalhes de cada criança. É bem ventilada, mas um pouco escura. Estranhei que nem a coordenadora nem as tias nunca tinham ouvido falar em banho de balde. É a mais barata, mas tem fila de espera. Talvez.

3 – considerada a melhor escolinha de SBC, mas vai desde o ensino pré-escolar até o nono ano… mesmo sendo em andares diferentes (são 5) prefiro um lugar exclusivo para crianças pequenas. E… a sala de banho e a de preparação de alimentos não tem ventilação! Não!

4 – uma casa grande só para educação infantil sendo que o berçário fica separado (um pouco escuro). Uma das atendentes era bem informada e bem articulada, já a outra… A coordenadora me atendeu no dia seguinte para me dar os valores de uma forma muito apressada… Não!

5 – cheguei junto com o motoboy que estava entregando marmitex… o marmitex era o almoço das crianças maiores de 2 anos! A pessoa que atendeu a porta não sabia o que fazer comigo pq a coordenadora não estava… uma colega dela que estava saindo disse para que ela me mostrasse a escola… mas a coordenadora não estava e ela tinha recebido os marmitex, era informação demais para a cabecinha da pobre moça! Quando ela repetiu “E agora o que eu faço?” eu disse “Agora você me mostra a escola!”. Coisa que me irrita é gente sem iniciativa! Ela simplesmente fechou a porta e foi andando… momentaneamente, fiquei estática, sem reação. Em seguida fui adentrando a escolinha até ver o berçário e ali fiquei fazendo perguntas para a atendente… além de ver crianças de mais de um ano dormindo no bebê conforto (ao fazer  4meses o Y já ficava apertadinho) ainda ouvi a atendente contar orgulhosamente q as crianças usam o pátio coberto para ficar no andador (andadores são vetados por pediatras!). NÃAAAAAOOO!!!!!

6!!!!!! – fui recebida com um meneio (claro que a pessoa não conheceria este termo!) de cabeça q poderia ser interpretado como “O q tu qué?” ( “bom dia”, “pois não”… nada disso existe!) ao dizer que queria conhecer a escola “Não pode voltar outra hora?” “Desculpa?” (jurei que não tinha entendido direito) “É que as outras professoras estão num curso na prefeitura…” “E você está sozinha com todas as crianças!? Bem, não posso voltar outra hora, não!”. Se isso aconteceu hoje, tranquilamente, deve acontecer em outras ocasiões… significa que as crianças não precisam de cuidados, banho, comida… porque as “tias”precisam fazer curso!? Ei, já ouviram falar em rodízio!? NÃOOOOO!!!

7!!!!!!! – no mesmo estilo da número 2, mas com mais iluminação natural e mais bem ventilada. A cozinha é bem visível (parece estar numa vitrine telada), sem muita frescura, pedem que os cuidadores/responsáveis acompanhem as crianças nos primeiros dias para fazer um período de adptação mais tranquilo, mas tem 5 crianças por cuidadora…. Talvez!

O grande ponto em comum entre todos estes lugares foi que ou o sling foi visto como uma coisa de outro mundo ou causou completa fascinação. Eu entendo que sling de argola não seja a coisa mais comum do mundo, mas também não é para tanto frisson, ainda mais em locais que deveriam ter profundo conhecimento de puericultura.

Leia mais:

http://bloguinhodoteo.blogspot.com.br/2011/01/em-busca-da-escolinha-perfeita.html

http://ondedesliga.wordpress.com/2012/02/05/procurando-escolinha-voce-pode-nao-acreditar-em-duendes-mas-a-escola-perfeita-existe/

Anúncios

1 comentário (+adicionar seu?)

  1. Danielle
    maio 14, 2012 @ 12:30:49

    Que horror! Nem tenho paciencia com este tipo de pessoa (“sem iniciativa,” como você descreve) quando é eu que lida com ela. Imagino se tivesse que deixar meu filho com alguém assim! Infartaria.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: