Coleta seletiva, você sabe separar?

Vidro, plástico, metal, papel EEE o resto?

Na praça ao lado da minha casa tem quatro conteiners enormes com apenas as quatro divisões clássicas para coleta seletiva (o que já é uma iniciativa louvável da prefeitura). Em cada um há uma lista dos materiais aceitáveis e os inaceitáveis (muito didático!). Mas me restam dúvidas, muitas dúvidas!

Por exemplo, embalagens de comida feitas de papel não podem ser recicladas junto com papel limpo, então é lixo orgânico? Como tem gordura não podem ir para a composteira ou minhocário, ainda assim é considerado lixo orgânico?

Lâmpadas são basicamente vidro e metal, mas não devem ser colocadas em nenhuma das duas lixeiras, e faço o que com as que estão queimadas?

Sempre ouvi falar que dejetos humanos quando mal direcionados contaminam os lençóis freáticos, mas papel higiênico nào é classificado como lixo orgânico?

Afinal de contas isopor é reciclável?! Coloco junto com papel ou plástico?

Pilhas quando vazam fazem a maior lambança, tanto em nossas casas, quanto no meio ambiente. Vou guardando as que não prestam mais em uma garrafa pet, mas e quando ela está cheia devo descartar onde?

Coleta seletiva é uma ideia ótima, mas ainda faltam pontos de coleta mais acessíveis para a população em geral e faltam explicações mais específicas do que simplesmente as quatro  divisões básicas.

A saga da busca da escolinha “perfeita”

O que é a escolinha perfeita? Quando começar a procurar? Qual a idade ideal para que a criança vá para a escolinha? Dúvidas, dúvidas, dúvidas… não tenho certezas, só dúvidas!

A escolinha perfeita provavelmente não existe – ainda mais quando sempre se espera encontrar a excelência… Pelo menos, tenho ideia  de quais quesitos são absolutamente inadimissíveis para mim. (O essencial, para mim, é que as crianças tenham tempo e espaço para serem crianças!)

Desde que engravidei soube que minha gravidez extra-uterina (no sling) duraria seis meses, mas que depois disso teria que entregar o meu filhote a cuidados alheios (nosso segundo corte do cordão umbilical). Como nesta época começa o desmame parcial (e o sistema imunológico, consequentemente, baixa um pouquinho) nosso pediatra de Brasília tinha sugerido que déssemos preferência a uma babá do que a escolinha… podem me chamar de paranóica, mas não me sinto confortável em deixar meu pequeno príncipe sozinho com só uma pessoa desconhecida, ainda prefiro uma instituição onde uma pessoa vê o que as outras estão fazendo (responsabilidade individual compartilhada!).

Comecei a procurar creche/berçário/escolinha quando estava no terceiro trimeste gestacional ainda lá em Brasília, mas o que é realmente importante analisar nesse momento?  Abaixo segue a minha saga e o que observei nas instituições que visitei nestes dois meses aqui em São Bernardo.

1- 100m de casa, mas cheguei e o portão estava escancarado, o porteiro estava fora de vista (assistindo um jogo de bocha na TV), a coordenadora me deu um chá de cadeira apesar de eu estar com o  Y no sling e pra completar vi as crianças tomando banho de sol (num dia de fritar ovo no asfalto) às 10 da manhã (e uma das cuidadoras na sombra)!!! Ahhh hã!!! Juro que o Y algum dia vai por seus pezinhos ali! NÃÃÃÃÃÃOOOO!!!

2 – pelo nome já imaginei as criancinhas em alguma viagem alucinógena… hehehe O lugar é bonitinho, uma casa simples com pátio e uma mini horta. A coordenadora sabe detalhes de cada criança. É bem ventilada, mas um pouco escura. Estranhei que nem a coordenadora nem as tias nunca tinham ouvido falar em banho de balde. É a mais barata, mas tem fila de espera. Talvez.

3 – considerada a melhor escolinha de SBC, mas vai desde o ensino pré-escolar até o nono ano… mesmo sendo em andares diferentes (são 5) prefiro um lugar exclusivo para crianças pequenas. E… a sala de banho e a de preparação de alimentos não tem ventilação! Não!

4 – uma casa grande só para educação infantil sendo que o berçário fica separado (um pouco escuro). Uma das atendentes era bem informada e bem articulada, já a outra… A coordenadora me atendeu no dia seguinte para me dar os valores de uma forma muito apressada… Não!

5 – cheguei junto com o motoboy que estava entregando marmitex… o marmitex era o almoço das crianças maiores de 2 anos! A pessoa que atendeu a porta não sabia o que fazer comigo pq a coordenadora não estava… uma colega dela que estava saindo disse para que ela me mostrasse a escola… mas a coordenadora não estava e ela tinha recebido os marmitex, era informação demais para a cabecinha da pobre moça! Quando ela repetiu “E agora o que eu faço?” eu disse “Agora você me mostra a escola!”. Coisa que me irrita é gente sem iniciativa! Ela simplesmente fechou a porta e foi andando… momentaneamente, fiquei estática, sem reação. Em seguida fui adentrando a escolinha até ver o berçário e ali fiquei fazendo perguntas para a atendente… além de ver crianças de mais de um ano dormindo no bebê conforto (ao fazer  4meses o Y já ficava apertadinho) ainda ouvi a atendente contar orgulhosamente q as crianças usam o pátio coberto para ficar no andador (andadores são vetados por pediatras!). NÃAAAAAOOO!!!!!

6!!!!!! – fui recebida com um meneio (claro que a pessoa não conheceria este termo!) de cabeça q poderia ser interpretado como “O q tu qué?” ( “bom dia”, “pois não”… nada disso existe!) ao dizer que queria conhecer a escola “Não pode voltar outra hora?” “Desculpa?” (jurei que não tinha entendido direito) “É que as outras professoras estão num curso na prefeitura…” “E você está sozinha com todas as crianças!? Bem, não posso voltar outra hora, não!”. Se isso aconteceu hoje, tranquilamente, deve acontecer em outras ocasiões… significa que as crianças não precisam de cuidados, banho, comida… porque as “tias”precisam fazer curso!? Ei, já ouviram falar em rodízio!? NÃOOOOO!!!

7!!!!!!! – no mesmo estilo da número 2, mas com mais iluminação natural e mais bem ventilada. A cozinha é bem visível (parece estar numa vitrine telada), sem muita frescura, pedem que os cuidadores/responsáveis acompanhem as crianças nos primeiros dias para fazer um período de adptação mais tranquilo, mas tem 5 crianças por cuidadora…. Talvez!

O grande ponto em comum entre todos estes lugares foi que ou o sling foi visto como uma coisa de outro mundo ou causou completa fascinação. Eu entendo que sling de argola não seja a coisa mais comum do mundo, mas também não é para tanto frisson, ainda mais em locais que deveriam ter profundo conhecimento de puericultura.

Leia mais:

http://bloguinhodoteo.blogspot.com.br/2011/01/em-busca-da-escolinha-perfeita.html

http://ondedesliga.wordpress.com/2012/02/05/procurando-escolinha-voce-pode-nao-acreditar-em-duendes-mas-a-escola-perfeita-existe/

Decoração para cozinha: gatos!

Mitsy (tricolor) e Core (branco – ok, encardido antes do banho!) enfeitando a cozinha.

Eles amam passear pelas prateleiras dos armários aéreos e ficar observando o mundo de cima da geladeira.

Um dia ainda vou ter uma casa com prateleiras pelas paredes especialmente para os bichanos se divertirem!

Veja mais:

 

Ocupação atual: dona de casa!

Sou uma dessas pessoas privilegiadas que pôde parar de trabalhar quase dois meses antes do nascimento do filho. Parar de trabalhar nas duas primeiras semanas pareceu férias, na terceira foi um pouco deprimente, na quarta estava desesperada para voltar a ter o constante desafio intelectual da sala de aula (Muito obrigada por continuarem as aulas de português, DD, e inglês, DD, comigo – sim, ambos os alunos têm as mesmas iniciais!)! Além disso, sou autônoma, então este privilégio representa uma significativa diminuição de renda familiar (carga no mínimo dobrada nos ombros do Sr F!).

Alguns anos atrás havia um email com um texto humorístico maldizendo as feministas que queimaram sutiãs e lutaram por direitos iguais aos homens. Mas o grande ponto foi ter o direito de escolher o que as mulheres queriam fazer e não mais ter um destino pré-traçado sem opção de ser nada além do que dona de casa/mãe/esposa.

Hoje em dia percebo uma grande opressão às mulheres que decidem se dedicarem integralmente à família. Como se as mulheres que não têm uma atividade remunerada não trabalhassem, simplesmente não fizessem nada o dia todo (experimente passar um tempo se dedicando exclusivamente à economia e logística doméstica!) e “emburecessem” por aparentemente não terem desempenho intelectual (com tanta informação disponível na internet só fica sem ter sobre o que pensar e repensar quem  quer!).

Cada vez mais tenho conversado com mulheres com formação acadêmica, reconhecimento profissional e tals que gostariam de poder se dedicar se não integralmente , pelo menos boa parte de seus dias aos afazeres domésticos. Trabalho de casa cansa? É chato? Toda atividade enjoa de vez em quando! Mas o prazer de ver a casa arrumada, decoração criativa, as roupas cheirosas, a felicidade nos olhos da família ao ver uma surpresa gastronômica NÃO TEM PREÇO!!!

Isso quer dizer que não vou mais ser professora? NÃO!!! Sou apaixonada pela minha profissão, mas se puder manter meu home office e trabalhar exclusivamente com aulas online acho que vou ter o melhor dos dois mundos! 🙂

Veja mais:

http://delas.ig.com.br/comportamento/donas-de-casa-sofrem-preconceito/n1597339956538.html

Escola e educação

No blog Livros e Afins há um post “As 3 coisas que a escola deveria ensinar” que  defende que os alicerces da educação escolar deveriam ser:

  • como se alimentar bem e como bem cuidar do corpo
  • como gerir bem as próprias finanças
  • como se relacionar bem com as pessoas e consigo mesmo

Cada vez mais tenho ouvido discussões sobre o panorama da educação contemporânea e me convenço que as chaves para o futuro da humanidade são o ensino dos valores básicos e a interdisciplinaridade (tanto por parte da família como pelas instituições de ensino).

Na revista Carta Capital desta semana, (na página 33) dentro da reportagem “De dez a zero” (que analisa o sistema educacional no Brasil),  há o depoimento de um pai falando das razões pelas quais mantem seu filho mais velho (de 15 anos) fora da escola. Este pai é um profissional da educação, e optou por contratar professores particulares e incentivar que o filho escolhesse cursos livres sobre assuntos gerais que o estimulassem (neste caso: cerâmica, música e luteria).

A declaração mais marcante de Edilberto Sastre para mim foi: ” Observo que a escola infelizmente deveria priorizar o conhecimento, mas prioriza a disciplina. Também questiono o porquê de, no jardim de infância, sermos estimulados a pensar em arte, na expansão do conhecimento e, mais tarde  tudo isso nos ser tirado. Vejo ainda que escola e educação não são a mesma coisa: a educação está em toda parte, a escola está em um só lugar.”

Seja como for dado o acesso à educação ela deve ser estimulante e intimamente ligada a realidade dos indivíduos, de nada adianta boas intenções se o conhecimento teórico não for apresentado de forma prática e palpável.

Sessão desapego 02/2011

(Amei minha máquina de costura que parece de brinquedo de tão pequenininha! A RF comprou uma nova e pensou em mim quando foi se desapegar!)

Daí você tem um monte de coisas em casa, coisas que estão simplesmente paradas em um canto… ou porque te trazem boas lembranças, ou porque um dia você vai usar, ou porque quase não usou, ou porque tão lá mesmo por hábito… Que tal exercer o desapego?

Neste sábado, reunimos um grupo de mulheres com a intenção de umas se jogarem no lixo/luxo das outras. Nada de trocas diretas. Ou demos objetos diretamente para alguém específico (sem esperar nada em troca), ou mostramos o que tínhamos e quem se interessou pegou. E o que sobrou!? Virou doação para instituições!!!

Claro que se desapegar nem sempre é fácil (normalmente não é!). No meu caso, havia algumas roupas (que amo amava de paixão) que não usava há pelo menos um ano, mas me desfazer delas era difícil porque eram bonitas, porque eram mais “de festa”, porque me traziam ótimas recordações, porque… então a forma mais fácil para mim foi oferecer para pessoas que poderiam usá-las e valorizá-las tanto quanto eu um dia fiz… O que ninguém quis!? DOAÇÃO!!! Com certeza, serão mais úteis no roupeiro de outra pessoa!

Normalmente quando fazemos algum projeto de decoração  sempre acabam sobrando restinhos. Uma folha de EVA, umas contas, umas miçangas, uns pingentes, uns pedaços de fita… Como o povo sabe que não resisto a essas coisinhas acabei ganhando vários restinhos (sempre que precisarem se desfazer dessas coisas a lixeira aqui de casa está aberta, ouviram meninas!?).

Dois projetinhos fáceis feitos com os restinhos de hoje:

1- Enfeite de Natal para a porta. Eu não tenho espírito natalino decorativo, mas com as coisinhas que ganhei rapidinho montei um enfeite para a porta. Umas contas e uma fita bonita e voilá!

2- Aromatizador de ambientes. Uma das meninas foi representante de uma marca de cosméticos e estava cheia de amostrinhas de perfume vencidas.  Outra me deu uns potinhos plásticos com rolha (material poroso!). Foi só juntar todas as amostrinhas dentro dos potinhos fechar com a rolha e finalizar com uma fitinha e pingente (que também foram fruto de desapego) e pronto! Para que o seu ambiente fique perfumado mais rapidamente há duas opções: ou colocar o recipiente sobre uma fonte suave de calor (a CPU do computador) ou ao invés de fechar com a rolha colocar uns papéis daqueles que a gente experimenta perfume nas lojas ou mesmo palitos (de comida japonesa ou de churrasquinho).

Além disso, tivemos horas e horas de conversa animada, comes e bebes (cada uma levou alguma coisa), muitas histórias hilárias relacionadas a vários dos objetos… E aí? Animam-se a fazer algo do gênero com seu círculo de amigos? Acreditem em mim, é mais fácil fazer uma sessão coletiva de desapego do que sentir o luto de jogar todas aquelas “preciosidades” em uma caixa fria e sem sentimentos… 😀 Que o seu desapego seja tão divertido quanto foi o nosso!

  

Porque reutilizar é preciso

Que tipos de resíduos você mais produz em casa? Todos eles são reutilizáveis pelo menos uma vez? Todos os objetos que você compra são realmente necessários? Será que não daria para ao invés de comprar, criar com objetos que normalmente seriam descartados?

Regra geral: a princípio todo vasilhame (de vidro, papel, metal, isopor ou plástico) pode tornar-se um organizador de objetos (botões, mantimentos, parafusos, bijuteria…) ou um vaso para plantas (com ou sem água, com ou sem terra, orgânicas ou artificiais).

O grande desafio quando fala-se em reutilização é ter pouco trabalho e ter um resultado final de qualidade (= que não fique com cara de lixo!). Pessoalmente, acho frustrante assistir à maior parte dos programas de artesanato que aparecem na TV que dizem ter o intuito de reutilizar material X ou Y, porque 99% deles demanda a compra de muuuuuitos materiais que normalmente não se teria disponível em casa (ex.: um metro de tecido, tinta especial…).

Abaixo seguem algumas dicas de reutilização (se pudermos reutilizar pelo menos uma vez os objetos que jogamos no lixo no mínimo dobramos a vida útil deles) que uso no meu dia-a-dia e outras mais engenhosas que encontrei pela net. Sinto muito se algumas são óbvias ou repetidas demais, mas espero ainda ter uma ou duas novidades a adicionar na vida de vocês!

* Garrafas pet

– Primeira opção: tenha uma sempre a mão para ser reenchida com água para beber! Seja para carregar na bolsa, ter no armário da academia, ou mesmo na geladeira elas são práticas.

– As de 500ml com o gargalo cortado são uma ótima solução para guardar sombrinhas molhadas dentro da bolsa – já a carregue com a sombrinha seca para que sempre esteja a mão.

– Só o gargalo pode ser um ótimo funil (tanto para líquidos quanto para sólidos).

– Guarde as pilhas usadas em um garrafa pequena para que quando forem descartadas não contaminem nem o solo nem os lençóis freáticos, e/ou caso você leve-as  para um local que faz coleta específica não precisa ir levando-as individualmente.

– Existem algumas garrafas pet que são realmente bonitas. Encha a garrafinha com água, álcool de cereais e essência e faça o seu próprio aromatizador de ambientes. Se você pedir comida japonesa guarde os hashis  e os mergulhe na garrafinha para ajudar como difusor de aroma. – Ahhh você não tem os ingredientes para fazer o aromatizador de ambientes? Não faz mal, use aquele perfume que na embalagem é ótimo, mas reage mal com a sua pele!

– Revisteiro de um site alemão:

* Copos plásticos de requeijão e pequenas embalagens plásticas

– São o recipiente ideal para congelar comida em porções individuais, ou eventuais sobras. – Inclusive para guardar pequenas quantidades de mantimentos secos.

– Muitas embalagens simples tem os rótulos removíveis (ou são simplesmente moldados ou adesivados) o que os torna neutros e podem ser reutilizados inclusive para presentear alguma guloseima (com o manjericão que tenho na sacada, às vezes, faço pesto e as pessoas ficam felizes ao receberem esse mimo).

– Embalagem de presente (!?):

* Vidros

– Tornam-se ótimos potes de mantimentos: inodoros e transparentes. Além de preservar os mantimentos são uma forma fácil de saber quando está na hora de repor este ou aquele produto.

– Também servem como uma boa embalagem de presente para guloseimas – e quem ganha não fica com a preocupação de devolver.

– Porta retratos:

* Embalagens de 1L de iogurte

– Corte e faça vasinhos para plantas ou porta lápis. O que fazer com tantos vasos de plantas e porta lápis? Presenteie!

* Embalagens de cosméticos

– Uma possibilidade é usar para fracionar os produtos que você comprar a granel ou mesmo colocar refil.

– Ao cortá-las você pode ter diferentes formatos e cores de porta escova de dentes, pentes e escovas de cabelo e até mesmo saboneteira (como porta trecos o ideal é colocar uma pedra no fundo para evitar que ele tombe). Se você gosta de mudança pode ter um banheiro um pouco diferente a cada nova embalagem de xampu.

– Se o pote tiver tampa de rosca pode ser usado inclusive para transportar suas bjuterias na mala. – Uso potes de gel para guardar pulseiras do tipo argola.

* Potes de sorvete

– São excelentes para armazenar desde mantimentos até material de limpeza – só não esqueça de identificar o conteúdo. Uso muito para guardar a ração dos gatos fracionada (compro pacotes de 10kg!) e sabão/sabão em pó (evita que molhe e mantem organizado).

– Vasos para plantas a prova de gatos! Gatos amam terra e sempre tentarão usar seus vasos como banheirinho. Coloque a terra dentro do pote e na tampa corte três (sugestão) canaletas de onde as plantas emergirão, para aparar o excesso de água você pode usar um pratinho de isopor que geralmente vem com frios.

* Caixas de papel/papelão

– Use para enviar coisas pelo correio (só a encape com papel < pode inclusive ser papel já usado do avesso!> para colocar os dados do destinatário e remetente) não há necessidade de comprar as embalagens próprias vendidas nas agências.

– São organizadores por excelência. Tanto podem ser empilhadas quanto, abertas e sem tampa, servem como divisórias para gavetas. – Os usos mais criativos que dei foram usar uma para organizar e “disfarçar” os absorventes no banheiro e juntar remédios que vem em cartelas (analgésico, anti-térmico, antiácido…) na gaveta da farmacinha. Ahhh também tenho uma caixinha comprida que uso para os pentes no banheiro e acaba também servindo para organizar os brincos da semana.

– Caixa de padaria que vem com salgadinhos não serve pra nada, né? Minha mãe e minha irmã LêSC fizeram uma linda caixa para os meus brincos cortando e encapando uma dessas (a base para os brincos foi feita de uma placa de isopor que veio com frios)!

* Papel e fitas de presente 

– Reembale presentes! O papel ficou amassado? Crie algo em que o amassado torne-se um detalhe ( na caixa de brincos acima o papel interno foi mais amassado do que era originalmente justamente para criar um efeito).

* Sacolas de eventos

– Geralmente, são resistentes e podem ser utilizadas como ecobags. Mas a estampa não ajuda? Cubra a parte que você não gosta com um retalho de tecido. Você não tem tecido em casa? Tem certeza!? E aqueles saquinhos de TNT que às vezes recebemos? E aquela sobrinha que estragou, mas a estampa é tão linda? 😉

– Se você enchê-las com sacolas plásticas de supermercado, cortar as alças e costurar pode usar como almofadas divertidas (pode ser para o jardim, sacada ou mesmo para um piquenique).

* Sacolas de lojas

– De plástico: saco para organizar material para doação/descarte de objetos.

– De papel: cubra o logo com alguma imagem interessante (de revista ou retalho de papel de presente), coloque um laçarote na alça e use como embalagem de presente. Outra opção é pendurar uma na cozinha para usar para guardar os saquinho de supermercado (para usar para o cesto de lixo depois).

* Seu lixo é meu luxo

– Antes de jogar algo fora verifique com seus contatos se alguém não gostaria de usar… – Conheço artistas plásticos que ficam felizes da vida ao ganhar maquiagem e esmaltes vencidos para usarem nas suas obras!